a casa

A Casa do Teatro realiza um trabalho artístico e pedagógico com crianças e jovens de 4 a 18 anos, divididos por faixa etária, com aulas semanais ao longo de ciclos que vão de janeiro a dezembro. O curso é ministrado por artistas orientadores experientes, especializados no campo das artes, de modo que as aulas pensem o desenvolvimento infanto-juvenil em conjunto com a psicanálise.

 

A cada ano, as turmas realizam um processo de criação teatral completo, da integração do grupo à montagem de uma peça. A Casa do Teatro não segue um programa fixo pré-determinado, portanto, o percurso de cada turma é sempre único, em que as habilidades, vontades e necessidades dos alunos são fatores fundamentais na escolha e no desenvolvimento de caminhos, temas e intersecções com outras linguagens cênicas.

 

Os temas de interesse de cada grupo são contemplados de acordo com sua pertinência com os processos vividos pelo grupo, por meio de diferentes atividades e linguagens cênicas que dialogam com a cena contemporânea, como as artes plásticas, a capoeira, o circo, a dança, a música e as narrativas audiovisuais.

 

As artes plásticas desenvolvem a capacidade criativa, a percepção e a expressão, além de aperfeiçoar a coordenação motora e as sensações táteis. As produções feitas durante as aulas podem virar cenário, figurino e bonecos-personagem.

 

Na capoeira, os alunos entram em contato com a cultura popular brasileira e aprendem valores como respeito, cooperação e perseverança, ao mesmo tempo em que estimulam o fortalecimento corporal e o desenvolvimento da autoestima e da iniciativa. No teatro, estas aulas criam cenas de luta, aventura e jogos corporais.

 

As técnicas circenses auxiliam na concentração, atenção, coordenação, respiração, reflexos e autoconfiança do aluno, além de incentivar sua capacidade criativa. Equilibrar malabares, pendurar-se em trapézios, deitar e rolar no chão ou descobrir-se como palhaço fazem do circo na Casa do Teatro uma aula divertida e rica em aprendizado.

 

As aulas de dança e expressão corporal ajudam a pensar na relação do corpo com o espaço e na movimentação do coletivo em cena, e estabelecem um diálogo mais próximo entre a arte e a educação, a razão e a sensibilidade, o individual e o coletivo.

 

As aulas de música proporcionam o desenvolvimento da linguagem sonora, da capacidade de concentração, da criatividade, da sensibilidade e do fortalecimento das relações em grupo. Nelas, o aluno explora ritmos e melodias, inventa músicas, encontra objetos que podem virar instrumentos e cria cenas e jogos corporais a partir de suas criações.

 

As narrativas audiovisuais são criadas a partir de elementos como mensagens de celular, fotografias, vídeos curtos e postagens de redes sociais, unindo a ideia de narrativa a formas distintas e atuais de contá-las.

 

Há, ainda, inúmeras outras linguagens cênicas abordadas em aula, como a comédia dell’arte, a improvisação, o teatro de máscara e a manipulação de bonecos, para citar algumas.

 

A ideia não é que os alunos reproduzam algo já existente, mas sim que se sintam estimulados a criar sua própria experiência. Por isso, o fazer artístico é livre: salas de aula, pátio, corredores e jardins viram cenário e inspiram improvisações, enquanto tecidos, papéis, cadeiras e diversos materiais criativos transformam os ambientes, sempre a partir da imaginação dos alunos, em castelos, desertos e parques. Ao final do curso, o processo culmina em uma apresentação – algo que não é e nem pretende ser uma conclusão, mas sim mais uma etapa de um longo, estimulante e frutífero percurso criativo.